27.12.11

Conservatório de Tatuí abre inscrições para o processo seletivo de novos alunos


Serão 528 vagas em todas as áreas da instituição dramática e musical
O Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura e Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos abrem as inscrições para o processo seletivo de novos alunos do 1º semestre do ano letivo de 2012, a partir do dia 9 a 15 de janeiro ou de 16 a 20 de janeiro, com 528 vagas em todas as áreas do Conservatório de Tatuí. Os interessados devem comparecer na secretaria escolar da instituição, das 8h às 11 e das 14 às 17h, com qualquer documento com foto e que conste a data de nascimento. A taxa de inscrição é de R$ 40.
Para a área de cordas (viola, contrabaixo, violoncelo, violino e luteria), serão 30 vagas para alunos que possuem conhecimento musical e 41 – incluindo o curso de luteria – para iniciantes dos instrumentos. Na área de Sopro-Madeiras (flauta transversal, oboé, clarinete, fogote e saxofone), o Conservatório de Tatuí selecionará 40 alunos que sabem tocar os respectivos instrumentos e 22 para quem não tiver conhecimento musical.
Na área de Sopros-Metais (trompa, trompete, trombone e tuba), os inscritos na categoria para estudantes que possuem conhecimento musical concorrerão a 25 vagas. Os iniciantes, no entanto, terão 18. O curso de percussão do Conservatório de Tatuí aceitará 12 alunos com conhecimento musical e 10 que não possuem. No curso de piano, os candidatos disputarão 13 e nove vagas, respectivamente para as duas modalidades de inscrição.
O curso de Canto lírico oferecerá oito vagas para alunos que já possuem conhecimento musical e apenas quatro para os outros candidatos. Na área de Performance Histórica (flauta doce e cravo) serão seis e duas vagas, seguindo a mesma sequência do curso de canto. O curso de violão – tradicionalmente um dos mais concorridos – abriu 12 vagas para quem sabe tocar o instrumento e oito para os iniciantes.
O setor de Música Popular (baixo elétrico, violão, guitarra, piano, canto, flauta transversal, saxofone, trompete, trombone, bateria e percussão) oferece 45 vagas apenas para quem possui conhecimento musical, assim como o setor de choro (bandolim, violão 7 cordas e percussão), que tem apenas três vagas.
O setor de Artes Cênicas abre 50 vagas para os cursos de teatro juvenil e adulto. Os cursos de iniciação musical terão 84 vagas, musicografia em braile uma e educação musical para educadores 40. Também haverá 40 vagas para interessados no curso de Fundamentos de Regência.
Processo seletivo
Para o ingresso ao Conservatório de Tatuí, haverá duas fases eliminatórias: a primeira será comum a todos os candidatos, consistirá de um teste auditivo para a verificação da capacidade de percepção musical sem exigir conhecimento prévio de teoria musical. O resultado será divulgado no sitewww.conservatoriodetatui.org.br e nos murais da escola, no dia 27 de janeiro
A segunda fase será composta por uma entrevista e uma Avaliação de Performance tocando o instrumento escolhido pelo candidato, ou cantando, caso ele tenha optado pelo curso de canto. Os dias para a realização da segunda fase serão divulgados no site do Conservatório de Tatuí.
Os candidatos estrangeiros deverão ser submetidos a uma prova de português, como parte do processo de seleção. Para a realização do teste será preciso que o candidato traga apenas caneta azul. A avaliação não poderá ser preenchida a lápis.
No site do Conservatório de Tatuí, o candidato poderá encontrar o edital do processo seletivo, assim como as obras a serem apresentadas para a banca de cada curso e os horários dos testes auditivos. Mais informações pelo telefone (15) 3205 8444 ou pelo e-mail secretaria@conservatoriodetatui.org.br.

O quarteto instrumental


"Música boa é aquela que tem começo, meio e fim. Tem tanta música que você ouve e não sabe o rumo"

O Quarteto Instrumental, sua casa por cerca de 30 anos, foi criado em 1949 por Radamés Gnattali com ele próprio ao piano, o Zé na guitarra elétrica, Luciano Perrone na bateria e Pedro Vidal no contrabaixo. O Quarteto foi um dos “primeiros grupos instrumentais de pequena formação que passou a tocar música popular com arranjos previamente estabelecidos, o que era comum apenas para orquestras e bandas”. As considerações foram encontradas no Dicionário Cravo Albin de Música Popular Brasileira.

BASTIDORES

Sempre com o pensamento muito concatenado, Zé Menezes não é de deixar dúvida sem resposta. O tempo, porém, não nos permitiu continuar a conversa para que ele esclarecesse como foi viver sob o governo de Getúlio Vargas, de modos que ficou marcado um outro encontro, para Deus sabe quando.
 
Isso porque a agenda é cheia de atividades – algo que ele intercala com a calma dos estudos de música em casa. Quando sai, está pleno de energia. E leva o violão tenor com ele – esse da foto. Zé não demonstra enfado nem cansaço quando conta suas histórias. Mesmo no final de novembro, quando fizemos essa, e estávamos sentados nas cadeiras desconfortáveis do aeroporto.

Numa turnê pela Europa, Zé Menezes conta que em Londres, no dia seguinte ao show, saiu no jornal

“que os ingleses tinham perdido uma grande chance de ver o maior guitarrista do mundo, que era eu, principalmente quando ele pegava uma guitarra pequenininha, que era o cavaquinho. Passagem de cavaquinho eu tenho umas boas pra contar. E a gente passa a tarde toda conversando”.
 
Ao chegar ao Rio de Janeiro, no década de 1940, Zé Menezes conta que conquistou o pessoal da rádio Mayrink Veiga e venceu os ciúmes dos músicos com a gravação do disco Quarteto Brasil, ao lado de Luperce Miranda (bandolim), Artur de Souza Nascimento - o Tute (violão de sete cordas) e Romualdo Viana. O disco original, segundo Menezes, faz parte do acervo do pesquisador e colecionador Nirez, Miguel Ângelo de Azevedo, em Fortaleza
15

CLÁSSICOS DO CHORO Foi o número de discos que lançou com Velhinhos Transviados.

1949

MÚSICA POPULAR Foi criado o Quarteto Instrumental, onde Zé tocou por 30 anos.

Perfil

Bom humor e auto confiança fazem um Zé Menezes de carne, osso e música. De Jardim, onde nasceu, saiu jovem ainda, quando aos quatro anos a família se mudou para o Juazeiro do Norte, ainda sob as bençãos de Padre Cícero Romão Batista. De lá, veio a Fortaleza em duas ocasiões. Foi na segunda que arrumou emprego e passou a ser músico de primeira instância na PR-9. Não ficou muito, porém: logo depois seguia para o Rio de Janeiro para ocupar o posto deixado por Garoto na rádio Mayrink Veiga.

Trabalhou cerca de 30 anos com Radamés Gnatalli, tocou para Villa Lobos e foi maestro da Rede Globo por outros 22 anos. Foi lá que compôs a abertura do programa dos Trapalhões. Lançou um número considerável de discos – só com os Velhinhos Transviados foram 15. É dele clássicos do choro como Comigo é assim e Encabulado. Mora a 17km de Teresópolis, num sítio aconchegante, segundo ele mesmo confirmou, e não passa um dia sequer sem estudar: “se o músico não estudar um dia ele sente. Mas se ele não estudar uma semana, quem sente é o público.”

Pergunta do Leitor

O POVO - Como a nossa região é divisa com a de Pernambuco, o senhor também teve a influência muito forte da cultura pernambucana como bandas cabaçais, maracatus, frevos?
Zé Menezes - Tive e preservo a influência da música pernambucana, componho muitos frevos, com arranjos para big band, grupos regionais e, principalmente, para bandas de pifano (ou banda cabaçal).

Pantico Rocha, músico, baterista do Lenine, natural de Jardim (CE)

Hoje Zé mora a 17 km de Teresópolis, num sítio acolhedor

Compôs o tema dos Trapalhões na TV Globo


 O POVO on line

24.12.11

Como escolher o professor adequado


Algumas pessoas quando vão à procura de um professor para ter aulas do seu instrumento em questão a primeira coisa que pensam é que esse professor deve ser um baita instrumentista e esquecem de algo que é de grande fundamento e até mais importante do que um músico técnico: pedagogia.
Obviamente que o mais correto é que o professor tenha qualidade técnica para ensinar e ao mesmo tempo qualidade pedagógica para saber como dar aula. Os dois devem andar lado a lado.

Para avaliar se o professor toca bem você pode fazer a olho nu quando estiver ao vivo com ele fazendo uma provável aula demonstrativa. De qualquer forma não pegue o primeiro professor que aparecer, procure sobre seu histórico como professor e o grau de satisfação que seus clientes têm ou tiveram com relação a ele. Através de questionários, pergunte ao professor questões que supram as suas dúvidas e se as respostas atendem o perfil de professor que você busca. Para realizar os questionários, você antes deve se perguntar:
  • Quero música por hobbie ou para especialização?
  • Busco aprender em um curto espaço de tempo ou não tem pressa quanto a isso?
  • Estou preparado para teoria e prática ou estou preparado apenas para prática?
  • Procuro tocar todos os estilos ou um/alguns estilos específicos?
  • Quero aprender algo mais simples que contenha musicalidade ou quero aprender algo mais técnico?
São perguntas do tipo que você deve se fazer, dependendo de sua resposta veja seu grau de coerência, por exemplo, se você quer se especializar não adianta querer isso em um curto espaço de tempo. Sendo assim, após manter essa coerência em suas respostas, elaborar as principais questões para fazer ao professor.
Junto isso com todo o histórico do professor, e analisando sua metodologia de aula através da aula demonstrativa, você saberá se ele é a pessoa mais certa para te dar aula ou não. O mais importante é nunca ir pela empolgação, pois às vezes você poderá desperdiçar dinheiro. No mais, procure alguém que trate a música como diversão e algo fácil de entender e não alguém que complique na hora de explicar, pois esse tipo de professor que gosta de complicar como, por exemplo, passando exercícios sem mostrar algum fundamento sobre eles nada mais é do que um instrumentista que se acha professor. E não é isso que você procura. Pode ter certeza que quando o professor explica de forma fácil não é porque ele é incompetente e sim porque ele sabe como ser um professor.
Abaixo segue um site que mostra professores de todo país que você pode pesquisar e encontrar alguém na sua cidade:

copilado  do  PORTAL  OUTROS  VENTOS
http://www.outrosventos.com.br  

21.12.11

Projeto Guri terá 5 mil novas vagas em 2012


O ano letivo de 2012 começa com novidade no Projeto Guri. O programa do Governo do Estado de São Paulo e da Secretaria da Cultura terá mais de 5 mil novas vagas, ampliando o quadro de alunos para aproximadamente 60 mil crianças e adolescentes, sendo 18 mil apenas na capital.
Com a ampliação, o Guri terá 10 novos polos de ensino na capital (atualmente são 38), que vão atender crianças e adolescentes de quase todas as regiões da cidade. Além da implantação de novas escolas, a unidade Brooklin, na Zona Sul, será reestruturada para atender 570 novos alunos, além dos 220 que a escola recebe atualmente. As mudanças tornaram-se possíveis em função de uma parceria firmada entre as Secretarias da Cultura e de Educação, que desempenhou um papel vital na viabilização das novas unidades de formação.
A iniciativa visa atender a demanda recebida pelo projeto, principalmente nos locais onde ainda não existiam unidades do Guri, e atende ainda as diretrizes definidas pelo Sistema Paulista de Música, que em 2012 deve intensificar a integração entre os programas de base e de formação profissional do Estado.
Considerado o maior programa de iniciação musical do País, o Guri oferece desde 1995, nos períodos de contra-turno escolar, cursos de iniciação e teoria musical, coral e instrumentos de cordas, madeiras, sopro e percussão, além de instrumentos populares como violão, guitarra elétrica e cavaquinho. Todas as etapas de formação do Guri são gratuitas.
Mais do que um programa de iniciação musical, o Guri funciona hoje como a base do sistema de formação musical do Estado - oferecendo a alunos com as mais diferentes origens, interesses, potencialidades e níveis de conhecimento, a oportunidade de crescer a partir das vivências artísticas, incluindo a perspectiva de ingressarem em carreiras profissionais ou acadêmicas na música.

As inscrições para o ano letivo de 2012 começam no dia 23 de janeiro. As vagas serão preenchidas de acordo com a demanda, por ordem de chegada. Podem se inscrever crianças e adolescentes com idades entre 6 e 18 anos, matriculados regularmente em qualquer unidade escolar a partir do ensino fundamental, sendo oferecidas três modalidades de cursos regulares (iniciação musical, sequencial e modular).

 http://www.diariotupa.com.br/

20.12.11

Saxofonista Manu Falleiros se apresenta no Almanaque Café


Músico é convidado do Alma Trio nesta terça-feira (20)


O saxofonista Manu Falleiros é o convidado do Alma Trio nesta terça-feira (20), às 21h, no Almanaque Café, em Campinas. Compositor, improvisador e saxofonista, Falleiros trabalhou ao lado de grandes expoentes da música instrumental no país como Nailor Proveta, Walmir Gil, Léa Freire, Vinícius Dorin, e gravou com Carlos Malta e Yamandú Costa.

A habilidade para tocar saxofone surgiu ainda na infância e foi aprimorada com os estudos. Formado em música popular pela Unicamp, estudou com grandes jazzistas como David Liebman e Brandford Marsalis e por quatro vezes foi contemplado com a bolsa de estudos para o Festival de Música de Campos do Jordão, no qual se destacou como solista.
EPCampinas

16.12.11

NOVA FOTO

Nova  foto  da  Orquestra  Municipal  Maestro  Julio  de  Castro -  registrada em 06/12/2011 por Adriana
(com ausências)

15.12.11

NATAL DE LUZ 2011



Foi  muito  aplaudida  a apresentação  natalina  no  ultimo  dia 06/12  no  NATAL DE LUZ  na  Praça  promovido pela  Secretaria  de  Cultura  e  Turismo  de  Tupã.  Foram 19 canções  na audição  com  instrumentais,  solos  e  vocal  que  emocionou  o público presente  no  Espaço Cultural.  Verdadeiro  Show  musical.

10.12.11

Diversidade Cultural


MinC participa de reunião do Comitê Intergovernamental, na sede da Unesco, em Paris
O Ministério da Cultura está participando, desde o dia 5 deste mês, da 5ª reunião ordinária do Comitê Intergovernamental da Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais, na sede da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em Paris. Estão presentes no evento as secretárias Márcia Rollemberg, da Cidadania e Diversidade Cultural, e Cláudia Leitão, da Economia Criativa (secretarias em fase de estruturação no MinC), além da coordenadora e assessora internacional Giselle Dupin. A reunião se encerra nesta sexta-feira (9).
O Brasil é um dos 24 países membros do Comitê Intergovernamental, órgão responsável pelas discussões sobre as regras para a implementação da Convenção da Diversidade Cultural nos 117 países que já a ratificaram.
Dentre os assuntos da pauta da 5ª reunião consta a decisão sobre os projetos que serão financiados em 2012 pelos recursos do Fundo Internacional para a Diversidade Cultural.
A Secretária Márcia Rollemberg acredita que, para que a Convenção alcance seus objetivos de promover a diversidade cultural no mundo, é preciso difundir mais o acordo internacional e, principalmente, reforçar o Fundo Internacional para que financie mais projetos de países em desenvolvimento e, ainda, reforçar a promoção e valorização de suas expressões culturais.

(Fonte: SCC/MinC)
http://www.cultura.gov.br/site/2011/12/09/diversidade-cultural-25/

9.12.11

Ensino da Música - Nas Escolas Brasileiras



De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), o ensino da música tem por objetivos gerais abrir espaço para que os alunos possam se expressar e se comunicar através dela, bem como promover experiências de apreciação e abordagem em seus vários contextos culturais e históricos. Sabendo disso explicaremos como se dá cada objetivo e a metodologia que o professor deve utilizar, para esta última destacamos atividades que achamos relevantes diante do estudo proposto.

Objetivos

O primeiro objetivo, como anteriormente citado, é a comunicação e a expressão pela música que se dão através da interpretação, improvisação e composição. O professor deve utilizar como metodologia atividades que favoreçam esse processo. Tais como, trazer para sala de aula interpretações de musicas já existentes, para que os alunos possam vivenciar o processo de expressão individual e grupal, não se esquecendo de fazer conexões com a localidade e a identidade cultural dos alunos, permitindo-lhes também improvisar, compor, observar e analisar suas estratégias e de seus colegas nas atividades de produção.
O segundo objetivo é a apreciação da música que se dá pela escuta, envolvimento e compreensão da linguagem musical. O professor deve, por exemplo, promover uma discussão e um levantamento de critérios sobre a possibilidade de determinadas produções sonoras serem ou não músicas, para que a partir daí ele possa explicar as linguagens musicais; dar espaço para que os alunos possam escutar diversos estilos de música e pedir que eles percebam as características expressivas e de intencionalidade dos compositores e intérpretes dessas músicas.
O terceiro objetivo é a abordagem da música em vários contextos culturais e históricos que se dá através da expressão musical de vários povos em diferentes épocas.

Metodologia

A metodologia que o professor pode utilizar é trazer para sala de aula diferentes músicas e a partir delas instigar a curiosidade dos alunos indagando-os sobre a que cultura elas pertencem e a partir daí traçar as suas características. Assim como, deve ser incentivada e motivada a criatividade dos alunos no ato da elaboração e interpretação por meio da música ou de outra manifestação artística.
Então, após o estudo desses objetivos concluímos que eles abrangem de forma eficiente os aspectos que devem ser abordados em sala de aula, já que envolvem tanto a teoria, como a prática e contexto, promovendo um estudo mais completo sobre a música.

Bibliografia:
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares nacionais: arte/ Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997.

http://www.mec.gov.br

4.12.11

NATAL DE LUZ NA PRAÇA tem Julio de Castro Terça Feira 06/12


Nesta  terça feira  06/12   20:00h   a  apresentação Natalina  da  Big band  de  Tupã -  Orquestra  Municipal  Maestro  Julio  de  Casto..

Será  apresentado um repertório  especialmente  preparado  para   a  ocasião,  em  duas  partes:
Primeira parte  com canções poular, pop  e mpb;
Segunda parte  musicas  natalinas  e  arranjos  especiais  para  o evento.

INTERATIVA FM - Uma Excelente Pedida...

  Com programação criteriosa de qualidade e bom gosto,  domina a audiencia  em Tupã  e  cidades da Região,  Musica  e  informação.  Muito  boa  a  pedida  e indicamos aos nossos amigos,  o destaque  entre outros da programação da  destacada FM  é  aos  Domingos  12:00   um  espaço especial  Á  MUSICA  INSTRUMENTAL   COM   VIBRANTES  BIG  BANDS...

 CONFIRA: on line     INTERATIVA FM 89,5Mhz    http://www.interativa.fm

Natal de Luz na Praça da Bandeira começou ontem



Autor: - Data: 04/12/2011

Com o espaço cultural Zé Pretinho lotado, aconteceu na noite de ontem, sábado, a abertura do Natal de Luz na Praça 2011, que teve a apresentação do Projeto Escola de Segundo Turno - Crescer Juntos. Promovido pela Secretaria Municipal de Educação, contou com a participação de cerca de 300 alunos da rede municipal de ensino.

Quando as luzes que decoram a praça foram acessas, por volta das 21h30, houve queima de fogos.
Neste domingo, às 20hs, o Natal de Luz apresentará a Orquestra de Sinos. O Natal de Luz ficará na Praça da Bandeira por 40 dias.
JORNAL DE TUPÃ  on line
http://www.jornaldetupa.com.br/

2.12.11

Natal de Luz na Praça da Bandeira Começa neste sábado

Projeto Escola de Segundo Turno estará se apresentando dentro do espetáculo Ritmos

Neste sábado, 03, ás 20h, acontece a abertura do Natal de Luz na Praça 2011, que terá apresentação do Projeto Escola de Segundo Turno - Crescer Juntos - “A Noite é Nossa”. O evento, promovido pela Secretaria de Educação, contará com a participação de 300 alunos da rede municipal.

O evento será realizado no Espaço Cultural José Anselmo Dias na Praça da Bandeira onde a população poderá prestigiar as expressões culturais e artísticas dos alunos. Sandra Cristina Ferreira de Oliveira, diretora de Núcleo Educacional, informa que este espetáculo é muito importante para os alunos que são atendidos na faixa etária de 6 a 14 anos e também para os professores, pois é uma oportunidade única, onde os alunos mostrarão todas as habilidades conquistadas durante o ano letivo.

No domingo, às 20hs, o Natal de Luz apresentará a Orquestra de Sinos – Mamute Produções.

http://www.jornaldetupa.com.br/

1.12.11

Ray Conniff, his Orchestra and Singers:

Câmara aprova a PEC da Música em primeiro turno

O Plenário aprovou, em primeiro turno, por 395 votos a 21 e 4 abstenções, o texto principal do substitutivo da comissão especial para a PEC 98/07, do deputado Otávio Leite (PSDB-RJ) e outros. A PEC concede imunidade tributária a CDs e DVDs com obras musicais de autores brasileiros. Para ser aprovado, o texto precisa de 308 votos favoráveis. Esse é o primeiro dos dois turnos de votações a que é submetida uma proposta de emenda à Constituição. Segundo o substitutivo do deputado José Otávio Germano (PP-RS), a imunidade não valerá para a etapa de replicação industrial dos CDs e DVDs. Essa regra procura preservar as fábricas da Zona Franca de Manaus (ZFM). Entretanto, esse dispositivo será votado em separado por meio de um destaque apresentado pela bancada do PDT.

 Argemiro Correira
 http://argemirocorreia.blogspot.com
 http://twitter.com/argemiroblog
 sistemaestadualbandasmusica@gmail.com

29.11.11

Bixiga 70 - Lança CD em 3/12

A big band   BIXIGA 70  lança  novo  CD  no  Cine  Jóia   dia  03/12 - Todos convidados

NORMALIZADO

Ufa...   Com  satisfação  retornamos a ativa,  depois de cerca de  45 dias  de muito trabalho e sufoco e a valiosa colaboração de técnicos e amigos  recuperamos o nosso layout original, voltamos  com algumas alterações  e muito gaz.   Valeu  galera...

27.9.11

A ORQUESTRA NO MUSEU

 Equipe do Museu e da Orquestra que fizeram a agradável noite de 21/9   nas dependências do Museu H.P. India Vanuire   dentro da programação  da  5ª  Primavera  dos  Museus  na temática  MULHERES, MUSEUS  e  MEMÓRIAS  COM  MEMORÁVEL AUDIÇÃO.


Equipe de Educadores do Museu  que participaram do Evento


16.9.11

ORQUESTRA NO MUSEU

Apresentação Musical
Data: 21/9/2011
O museu convida a Orquestra Municipal Maestro Júlio de Castro para uma apresentação musical em seu espaço expositivo. A atividade tem como objetivo apresentar um repertório das grandes intérpretes da música brasileira.
Local: Museu H.P. Índia Vanuíre (rua Coroados, nº 521, Centro – Tupã/SP)
Horário: às 20h
Informações: (14) 3491-2333
Entrada: gratuita

10.9.11

Manito, do grupo Os Incríveis, corpo é enterrado hoje

O corpo do músico Antônio Rosas Seixas, o Manito, será enterrado na tarde deste sábado no Cemitério Horto Florestal, na zona norte de São Paulo, às 14 horas. Manito, que foi saxofonista da banda "Os Incríveis" e participou também da fundação do grupo de música instrumental "Saxomania", morreu nesta sexta-feira em casa, na capital paulista. O velório está sendo realizado no Cemitério do Araçá, na zona oeste da cidade. Manito sempre foi lembrado por solos inesquecíveis durante a Jovem Guarda, época em que "Os Incríveis" se firmaram como uma das mais importantes bandas do País. Inspiraram e ainda inspiram muitos jovens com a sua música. Manito tratava desde 2006 de um câncer na laringe, o que o afastou dos shows com o "Saxomania" devido ao duro tratamento de quimioterapia. Lívio Benvenuti Júnior, o Nenê, contrabaixista da banda "Os Incríveis", lamentou a morte do amigo. "Ele foi para o outro lado porque estava sofrendo muito. Eu acompanhei toda a trajetória, foi muito difícil para ele. Graças a Deus, ele se foi. É muito chato isso, um grande amigo, perdi um grande cara, é muito difícil. Mas venho chorando faz tempo de vê-lo definhando. Mas, graças a Deus, ele vai lá para cima", disse o músico.
 DIARIO DO GRANDE ABC
 http://www.dgabc.com.br

EUPHONIUM, BARÍTONO, OU… BOMBARDINO?



“Quando eu estava no ensino médio (antigo colegial), meus pais decidiram comprar um novo instrumento para mim no lugar do modelo que eu estava utilizando. O vendedor da loja de música me mostrou um “barítono” King, top de linha de três válvulas/pistos. O vendedor disse que era um excelente instrumento, mas se eu fosse um grande músico, eu deveria gastar mais USD 80. Pelo dinheiro extra que eu gastaria eu não iria obter um mero barítono, mas um verdadeiro *** E * U * P * H * O * N * I * U * M *. Quando lhe perguntei qual era a diferença, ele explicou: “A diferença é que um barítono tem três válvulas, enquanto um euphonium(¹) tem quatro”. Ele também me disse que um euphonium tem um outro “calibre” (diâmetro interno da tubulação), e soa mais agradável que um barítono. E eu encomendei o instrumento mais caro.
Com o passar dos anos, aprendi que a única diferença entre estes dois instrumentos era a válvula extra. O vendedor não estava tentando me enganar, ele estava simplesmente tão confuso como a maioria das pessoas sobre a diferença entre um barítono e um euphonium. Ao longo dos anos, tenho ouvido muitas explicações incorretas sobre esta diferença. Algumas delas são: um euphonium tem quatro válvulas, um barítono três; se ele toca em clave de fá é um euphonium, se ele toca em clave de sol é um barítono; o barítono é um euphonium um pouco menor; o barítono tem a campana apontada para frente, o euphonium aponta para cima; e (atribuído a Robert King): “Euphonium é um barítono bem tocado.”
Nos E.U.A., se perguntarmos para uma pessoa na rua, ela não saberá o que é um barítono ou euphonium. Isto é em parte devido à falta de exposição dos instrumentos, mas se ele já tivesse visto algum, ela poderia ainda confundir com uma tuba, barítono, saxhorn, ou um euphonium. Além disso, o nome barítono é por vezes confundido com “saxofone barítono” ou a voz de cantor barítono.
Tenho consultado dezenas de livros para compreender a diferença entre estes dois instrumentos. Estas fontes incluíram dicionários, enciclopédias, dicionários de música e textos sobre música. Todos concordaram sobre a definição geral desses dois instrumentos, embora nenhum tenha citado nada de específico quanto às medidas delas. Eles concordam no seguinte: um barítono tem um tubo mais fino, e na sua grande parte mais cilíndrico, e uma campana menor se comparado a um euphonium, o qual tem uma boa parte de sua tubulação mais cônica. O som do barítono é mais leve e mais brilhante, enquanto que o euphonium tem um som mais escuro e mais possante. Quatro fontes bem conhecidas têm distinguido como segue:
FONTEBARÍTONOEUPHONIUM
The New Grove Dictionary of Music and MusiciansTubos mais estreitosTubo mais largo; tom mais envolvente e amplo; bocal mais fundo; tenor da familia das tubas
International Encyclopedia of Music and MusiciansSom e tubos mais estreitos; taça do bocal semi-cônica; 3 válvulasSom e tubos mais amplos; tubos semi-conicos; bocal com taça profunda; de 3 a 5 válvulas
New Harvard Dictionary of MusicTubo mais estreito; com a forma de um trompeteTubo mais largo; com a forma de flugelhorn
New Oxford Companion to MusicTubo mais estreitoTubo mais largo; chamado de “baritone” nos E.U.A
Essas declarações são suficientes para categorizar os instrumentos atualmente no mercado, mas ainda há uma notável confusão entre euphoniums e barítonos.
Um euphonium Conn, estilo americano, se encaixa muito bem nas medidas dos outros euphoniums estilo tradicionais, e mesmo assim este instrumento é mais freqüentemente chamado de “barítono” do que “euphonium.” A linha Conn é bem interessante a esse respeito. Seus vários modelos compartilham todos as mesmas dimensões de tubos, campanas, tamanhos, e formas cônicas, mas a Conn tem listado geralmente como seu modelo mais caro o “euphonium” e entre seus modelos mais baratos o “barítono”. Outras companhias americanas têm seguido o mesmo caminho, aparentemente devido à sensação de que o nome “euphonium” justifica um custo mais elevado e de melhor qualidade.
Um exemplo quase humorístico da confusão de definições foi encontrado no já quase extinto euphonium de campana dupla (foto). Este foi um instrumento com uma válvula extra para enviar o som para a sua campana de maior dimensão ou para uma de menor dimensão, como a de um trombone. A campana menor dava lhe um som mais brilhante, semelhante a de um barítono. Até onde eu saiba, este instrumento nunca foi chamado de “barítono de campana dupla”. O mesmo instrumento sem a campana menor era (e é) freqüentemente chamado de barítono. A incoerência é que a versão de campana dupla era capaz de emitir um som aproximado ao som de um barítono, enquanto que o instrumento com uma só campana, com o de um euphonium.
Os instrumentos que possuo são feitos na Inglaterra pela Sterling e são típicos, como muitos outros fabricados da Europa e no Japão. Meu euphonium tem a campana na posição vertical, válvulas laterais, e tubo com calibre interno de 0.592 polegadas (15mm). Este tipo de instrumento é raramente chamado de barítono. Eu também uso um barítono com campana na vertical e válvulas laterais. Este instrumento tem um calibre de 0.522 polegadas (13.3mm) e uma campana ligeiramente maior do que a de um trombone. Ele Possui um som muito mais brilhante do que o meu euphonium. Este tipo de instrumento nunca foi praticamente chamado de euphonium. O tubo do euphonium é quase que inteiramente cônico.
O tubo do barítono é muito mais cilíndrico. A natureza do calibre cilíndrico do barítono pode ser demonstrada retirando-se o tubo de afinação e invertendo-o. Ele irá se encaixar perfeitamente no instrumento, mesmo invertido; mas o mesmo não ocorrerá com o euphonium se tentarmos inverter este tudo deafinação.
Embora a maioria concorde com os nomes dos meus instrumentos, isto não ocorre com os instrumentos em muitas bandas de escolas públicas nos E.U.A. Eles são semelhantes aos Conns acima mencionados, e geralmente possuem um calibre de 0.560 pol. (14.2mm) e campanas voltadas pra frente, com cerca de 10.5 polegadas (26,7cm) de diâmetro (embora muitos sejam feitos com campanas na vertical também). Mesmo um exame superficial do tubo vai mostrar que está quase que inteiramente cônico. Acredito que este tipo de instrumento foi originalmente concebido para permitir que um único instrumento tocasse músicas para euphonium como para um barítono. Embora as primeiras amostras deste tipo de instrumento “híbrido” possuíssem um som quase que centrado entre um euphonium e barítono, o desejo de um som mais suave e cheio, levou os fabricantes a mudarem gradualmente as características do instrumento. A versão moderna tem um som muito próximo ao dos euphoniums europeus e japoneses. Eles têm um som ligeiramente mais brilhante, mas não tão brilhante como um verdadeiro barítono.
Além disso, em comparação com os meus próprios instrumentos, o calibre 0.560 pol. é um pouco mais próximo dos 0.592 pol. do que 0.522 pol. de um barítono.
Deixando as dimensões de lado, a minha experiência em tocar as mais variadas marcas deste tipo de instrumento com campana para a frente é que ele soa como um euphonium. Há um velho ditado (norte-americano, claro) que vai bem de encontro a isso: “If it looks like a duck and waddles and quacks, then call it a duck.” (“Se algo se parece com um pato, anda como um pato e faz “quack”, então o chame de pato”). Este tipo de instrumento com campana para frente, certamente deve ser chamado de euphonium. Todas as definições que encontrei iram apoiar este título, baseado nas características que estes instrumentos possuem. O fato de eles serem ligeiramente menores em calibre e som diferentes dos comumente encontrados na Europa e no Japão, certamente não deve desqualificá-los do título “euphonium.”
Vejam as fotos e comparem o barítono, o euphonium tradicional e um euphonium americano moderno.


Veja o trombone atual. A maioria dos músicos sinfônicos utilizam trombones com grande calibre (cerca de 0.547 polegadas – 13.9mm) e grandes campanas. No entanto, muitos trombones são feitos com calibres no intervalo de 0.500 a 0.515 polegada (12.7mm a 13.1mm) e com campanas menores. Eles soam um pouco menos intensos e mais brilhantes do que os seus irmãos maiores, mas mesmo assim eles ainda são chamados trombones.
Editoras de músicas partilham da mesma confusão. Como músico profissional, toco uma grande quantidade de músicas todo ano. Roughly 80% of the music I played was marked “baritone,” and yet about 1% of it was actually intended to be played on a true baritone. Cerca de 80% das músicas que toquei estavam assinaladas como sendo para “barítono”, e somente cerca de 1% destas obras eram realmente para barítono.
Embora possa parecer mais desagradável ter de dizer “euphonium”, em vez de “barítono”, vamos ajudar aos outros a adquirirem o hábito de usarem o nome correto para esses instrumentos. É tempo de acabar com a essa confusão.”
NT: (¹) Foi preservada a escrita do nome do instrumento no original (euphonium), contudo, pode ser encontradas versões como eufônio ou eufonium.
No Brasil, para complicar ainda mais a situação, há o “bombardino”, provindo do diminutivo de “bombardão” (military bombardon), o qual, tecnicamente falando, seria o tenor da família dos saxhorns. Há pelo menos cinco tamanhos de saxhorns(do mais agudo ao mais grave): o saxhorn sopranino em Mi bemol, o saxhorn soprano em Si bemol, o saxhorn alto em Mi bemol, a saxhorn tenor em Si bemol (também conhecido por barítono ou bombardino), e o saxhorn baixo em Mi bemol (também conhecida por bombardão ou tuba). A similaridade do nome com o saxofone é devido ao inventor ser o mesmo (Adophe Sax)


(Conforme texto original: “Euphonium, Baritone or ???” em www.dwerden.com/eu-articles-bareuph.cfm)
Artigo de David Warden. Traduzido e adaptado para o português por Orivaldo Hosti.
David Werden é graduado na Universidade de Iowa e foi solista de euphonium na United States Coast Guard Band (Banda da Guarda Costeira dos EUA) por mais de 20 anos. Atualmente vive em Minnesota e leciona tuba e euphonium na Universidade de Minnesota nos EUA.
Orivaldo Hosti é flautista e saxofonista, cursou música na Faculdade Teológica Batista de São Paulo.

Euphonium Conn com duas campanas
Barítono Euphonium/Eufonio/Eufonium
Imagem
Modelo de um Euphonium Americano moderno
Matéria obtida no Portal  OUTROS  VENTOS
http://www.outrosventos.com.br/

9.9.11

UE sinaliza ampliação de direitos autorais musicais

REUTERS
Os músicos devem vencer na semana que vem a disputa por um maior período de duração dos direitos sobre a sua obra, ajudando artistas e gravadoras num momento de declínio do faturamento no setor fonográfico, e deixando a Europa com uma legislação mais parecida com a norte-americana.
Artistas como Paul McCartney e Cliff Richard há anos pleiteiam a prorrogação do prazo de proteção da obra, que hoje é de 50 anos, mesmo que o artista ainda esteja vivo.
Um funcionário da União Europeia disse nesta sexta-feira, pedindo anonimato, que "embora alguns países sejam contra, parece provável que seja aceita a prorrogação da proteção dos direitos autorais de 50 para 70 anos".
Ministros de países da UE devem votar a questão na segunda-feira em Bruxelas.
No ano passado, o faturamento do setor fonográfico mundial teve queda de 9 por cento, ficando em 15,9 bilhões de dólares. O declínio é atribuído à pirataria, já que 95 por cento das músicas baixadas na internet chegam ao consumidor de forma ilegal, segundo a entidade setorial IFPI.
"Ampliar o prazo de proteção para 70 anos reduziria a lacuna entre a Europa e seus parceiros internacionais, e melhoraria as condições para investimentos em novos talentos", disse Frances Moore, executiva-chefe da IFPI, nesta sexta-feira.
Nos EUA, a proteção do direito autoral para músicas perdura por 95 anos após a gravação. No caso de obras escritas, o prazo é de 70 anos após a morte do autor.
Os catálogos mais antigos das gravadoras vêm sendo valorizados devido à facilidade da sua distribuição pela internet. Além disso, fãs mais velhos têm mais propensão a pagar pela música digital do que os adolescentes.
Mas Mark Mulligan, analista do setor fonográfico, disse à Reuters que o melhor que as gravadoras teriam a fazer seria voltar suas energias para os novos desafios da era digital.
"Será que foi inteligente ter investido tanto esforço para tentar defender o patrimônio histórico do setor fonográfico, quando as mudanças provocadas pela tecnologia exigem atenção? Existe o risco em dar tanto foco e se esforçar tanto para tentar proteger o que foi feito no passado", comentou Mulligan.


http://topicos.estadao.com.br/musica

7.9.11

Nippon Fest 2011 em Tupã!

Hino Nacional Brasileiro


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
O Hino Nacional Brasileiro tem letra de Joaquim Osório Duque Estrada (1870 - 1927) e música de Francisco Manuel da Silva (1795 - 1865). Foi adquirida por 5:000$ cinco contos de réis a propriedade plena e definitiva da letra do hino pelo decreto n.º 4.559 de 21 de agosto de 1922 [1] pelo então presidente Epitácio Pessoa e oficializado pela lei n.º 5.700, de 1 de setembro de 1971, publicada no Diário Oficial (suplemento) de 2 de setembro de 1971.
Hino executado em continência à Bandeira Nacional e ao presidente da República, ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal, assim como em outros casos determinados pelos regulamentos de continência ou cortesia internacional. Sua execução é permitida ainda na abertura de sessões cívicas, nas cerimônias religiosas de caráter patriótico e antes de eventos esportivos internacionais.
A partir de 22 de setembro de 2009, o hino nacional brasileiro tornou-se obrigatório em escolas públicas e particulares de todo o país. Ao menos uma vez por semana todos os alunos do ensino fundamental devem cantá

Hino Nacional Brasileiro ( TV CULTURA)

2.9.11

Música de Graça lança quinto episódio e prepara show

AE - Agência Estado
Interpretada por Luiza Possi, Pedro Mariano e Conrado Goys (violão), "Sei de Mim" (Luiza Possi/Dudu Falcão) é a música que compõe o 5o. episódio do Música de Graça. Uma entrevista com os artistas será colocada no ar ao longo do mês e também estará no www.musicadegraca.com.br. As informações são da assessoria de imprensa do site. No dia 25 de setembro, o Música de Graça promoverá um show no Auditório Ibirapuera com os artistas que participam do projeto.
Música de Graça é um site para produzir e divulgar música inédita grátis para o público fazer o download, mandar para quem quiser ou mesmo fazer seu próprio remix (desde que não seja para uso comercial), já que as gravações serão liberadas sob uma licença Creative Commons - organização sem fins lucrativos que disponibiliza licenças flexíveis para obras intelectuais.
O site foi criado pela compositora, cantora, fotógrafa e produtora Dani Gurgel, e lançado em maio com o episódio "Nada a Declarar", canção dos músicos Guilherme Ribeiro e Ricardo Teté, que teve cerca de 25 mil acessos. Até hoje, o site já acumulou 150 mil acessos. Música de Graça é uma produção da Da Pá Virada, com o apoio do Programa de Ação Cultural (Proac), da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo. 
/Cultura
http://www.estadao.com.br/noticias/

31.8.11

Conservatório de Tatuí abre inscrições para 5º Encontro Internacional de Percussão


Interessados podem se inscrever a partir do dia 5 de setembro até o final de outubro
O Governo do Estado de São Paulo e o Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos, de Tatuí, abre inscrições para o 5º Encontro Internacional de Percussão a partir do dia 5 de setembro. O evento será realizado no período de 9 a 12 de novembro 2011.
A taxa de inscrição custa R$ 20, valor que deverá ser depositado em qualquer agência do Banco do Brasil, na conta da Associação de Amigos do Conservatório de Tatuí (Agência 6505-6 – C/C 40.516-7). Não serão aceitos comprovantes de depósito feitos em caixa eletrônico 24 horas (Auto-Atendimento) ou via Net Banking.
Os interessados também podem se inscrever pelo correio ou pessoalmente, no Centro de Produções do Conservatório de Tatuí, localizado na rua São Bento, 415, Centro, Tatuí. Todos os inscritos participam na condição de ouvinte, tendo ou não conhecimento musical.
O 5º Encontro Internacional de Percussão é bienal e integra a série de Encontros Internacionais do Conservatório de Tatuí, reunindo atividades pedagógicas e artísticas – workshops, masterclasses, recitais e concertos – com o objetivo de proporcionar integração entre estudantes de percussão sinfônica e profissionais da área.
O regulamento já está disponível no site do Conservatório de Tatuí. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (15) 3205 8444.

Nando Reis e Orquestra Sinfônica cantam Caetano

AE - Agência Estado
No dia 10 de setembro, às 21h, a Hebraica apresenta "Nando Reis canta Caetano Veloso", com repertório que inclui sucessos dos anos 70 de Caetano, como "Muito Romântico", "Baby", "Como 2 e 2", "De Noite na Cama" e "Oração ao Tempo". "Essas músicas foram determinantes para minha formação, tanto como indivíduo quanto como músico", diz Nando Reis, que revela ter aprendido a tocar violão tentando tirar os acordes das músicas da fase londrina de Caetano. As informações são da assessoria de imprensa da Hebraica.
Nando será acompanhado pela Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, sob regência do maestro uruguaio Leon Halégua. "Será um show diferente, único, feito e preparado para essa ocasião. Músicas do Caetano, escolhidas e cantadas por mim, com arranjos de León Halegua", explica Nando Reis, de acordo com release de divulgação. O show faz parte da Série In Concert da Hebraica em homenagem a grandes compositores da música brasileira.
Nando Reis canta Caetano Veloso
ESTADO.COM.BR - Cultura
http://www.estadao.com.br/noticias/

30.8.11

MÚSICA É AMOR, DEFINE ZECA DO TROMPETE


http://ipiauonline.com.br/wp-content/uploads/2011/08/DSC00205-300x225.jpg

Por José Américo

Simplesmente genial, na humildade de saber tocar um instrumento e se contentar em apenas ser assim, simples, em sua aldeia, sua cidade. José Ângelo Neto (Zeca), 82 anos, natural de Ipiaú, remanescente da Orquestra 15 de Maio, regida pelo Mestre Lôla, com quem aprendeu a arte instrumental, é uma singela referencia da musicalidade Ipiauense. Sua primeira tocata foi justamente quando a Orquestra 15 de maio fez o show de inauguração da Praça dos Cometas, no dia 17 de dezembro de 1958,”uma festa inesquecível”, conforme lembram os mais antigos.

O trompete de Zeca seria ouvido em outras formações que deixaram nome na historia deste município. Nas primeiras turmas do Musical Apolo IX(1968) e do Conjunto Joedson(1977), ele estava presente. Em todos esses grupos dividiu palco com gente como Osório Costa, Naél Conceição, Alfredo, Benedito, João Trombone, Lió, Gafieira , Nelson Vargas e outros grandes músicos. Foram inúmeras as participações de Zeca em importantes eventos culturais da cidade.Nas festas organizadas no Grupo Escolar Dr. Salvador da Matta, pela inesquecível professora Emeríta Castro, lá estava ele com seu instrumento, acompanhando jovens talentos, mostrando o valor da solidariedade.Também lhe cabia a honra de ensaiar a banda marcial que comandava os desfiles de Sete de Setembro da citada unidade educacional. Atualmente não é diferente.

Zeca Eça continua eficiente na arte de bem servir. Seu trompete é indispensável nos cânticos do coral das missas da Igreja Matriz de São Roque, nas procissões em louvor ao padroeiro. Há mais de 20 anos ele está engajado nas atividades paroquianas, inclusive ,é bom lembrar, deu grande contribuição ao pessoal do “Vinde Jovem”. Sabendo que “é bom tocar um instrumento”, Zeca Eça marca seu tempo com ternura e a musicalidade que Deus lhe deu. Pedimos que ele definisse o que é a musica e a resposta veio em tom de mansidão, como uma suave melodia: “A musica é amor e quem gosta dela gosta da paz”

NI - Noticias de Ipiau