20.1.12

Música instrumental inspira espetáculo de dança contemporânea


Apresentação é nesta sexta-feira (20), às 21h, no Sesc. Coreografia compõe oito cenas independentes.

19/01/2012 - 16:06

As composições da banda EletroEco e os movimentos de bailarinos contemporâneos de Ribeirão Preto se misturam no espetáculo Eletroecos, nesta sexta-feira (20), no Sesc Ribeirão, às 21h. A apresentação é composta por oito cenas independentes desenvolvidas a partir da música instrumental e de seus elementos.
A coreografia é de Bruno Oliver e Fernanda Monteiro, com direção de Milton Ávila. O elenco de bailarinos é formado por Bruno Oliveira, Fabiana Pott, Fernanda Monteiro, Murilo Heidrich e Gabriel Cardoso. Os artistas prometem levar o público a um passeio por impressões visuais e auditivas.
A apresentação será no galpão de eventos do Sesc, que fica na Rua Tibiriçá, 50, Centro.
Feriado
Nesta sexta-feira, feriado de São Sebastião, o Sesc fica aberto das 9h30 às 18h30. Por causa do espetáculo, o espaço será reaberto às 19h30. Mais informações pelo telefone (16) 3977-4477.
SERVIÇO
Espetáculo de dança EletroecosLocal: Sesc Ribeirão Preto (Rua Tibiriçá, 50 – Centro)
Data: 20 de janeiro (sexta-feira)
Horário: 21h
Entrada: R$ 2,50 (trabalhador no comércio e serviços matriculados no Sesc), R$ 5 (usuário matriculado no Sesc, idosos acima de 60 anos, professores da rede pública e estudantes com carteirinha), R$ 10 (inteira)
Classificação: 12 anos
Informações: (16) 3977-4477
EPribeirão

16.1.12

GIGANTES DO FREVO


TEXTO José Teles
Maestro Spok inicia gravações do tão sonhado documentário que vai registrar a vida e a carreira de sete dos maiores mestres do frevo de rua.
Quem foi Capitão Zuzinha? A maioria dos moradores de Boa Viagem não vai saber responder a essa pergunta. Apesar de o tal capitão ser o nome de uma movimentada rua do bairro. Nascido em Catende (1989) e falecido no Recife (1962), o maestro José Lourenço da Silva, o Capitão Zuzinha, foi um dos mais importantes compositores pernambucanos do século passado e um dos formatadores do frevo. No entanto, permanece como ilustre desconhecido para a maioria dos conterrâneos.


Maestro Edson Rodrigues gravando para o documentário na Rua da Moeda
Foi com o objetivo de evitar que, no futuro, o mesmo se repetisse com outros maestros igualmente importantes, o também maestro Spock passou a acalentar a ideia de um documentário reunindo sete mestres do frevo: José Menezes (85), Edson Rodrigues (67), Clóvis Pereira (77), Guedes Peixoto (76) Ademir Araújo (67), José Ursicino da Silva, Duda (75) e José Nunes de Souza, Nunes (78): “Na época em que Menezes e Clóvis adoeceram e chegaram a ficar na UTI, eu, por coincidência, assistia, em casa, a um documentário sobre o maestro americano Quincy Jones. Lembrei de outro (filme) sobre a história do jazz e pensei, ´Puxa, os caras registraram tudo, e a gente não tem quase nada dos antigos mestres, já falecidos, mesmo de Capiba e Nelson Ferreira, há pouca imagem´. Precisamos fazer alguma coisa com esses maestros que ainda estão aí”, conta Spok.