27.12.11

O quarteto instrumental


"Música boa é aquela que tem começo, meio e fim. Tem tanta música que você ouve e não sabe o rumo"

O Quarteto Instrumental, sua casa por cerca de 30 anos, foi criado em 1949 por Radamés Gnattali com ele próprio ao piano, o Zé na guitarra elétrica, Luciano Perrone na bateria e Pedro Vidal no contrabaixo. O Quarteto foi um dos “primeiros grupos instrumentais de pequena formação que passou a tocar música popular com arranjos previamente estabelecidos, o que era comum apenas para orquestras e bandas”. As considerações foram encontradas no Dicionário Cravo Albin de Música Popular Brasileira.

BASTIDORES

Sempre com o pensamento muito concatenado, Zé Menezes não é de deixar dúvida sem resposta. O tempo, porém, não nos permitiu continuar a conversa para que ele esclarecesse como foi viver sob o governo de Getúlio Vargas, de modos que ficou marcado um outro encontro, para Deus sabe quando.
 
Isso porque a agenda é cheia de atividades – algo que ele intercala com a calma dos estudos de música em casa. Quando sai, está pleno de energia. E leva o violão tenor com ele – esse da foto. Zé não demonstra enfado nem cansaço quando conta suas histórias. Mesmo no final de novembro, quando fizemos essa, e estávamos sentados nas cadeiras desconfortáveis do aeroporto.

Numa turnê pela Europa, Zé Menezes conta que em Londres, no dia seguinte ao show, saiu no jornal

“que os ingleses tinham perdido uma grande chance de ver o maior guitarrista do mundo, que era eu, principalmente quando ele pegava uma guitarra pequenininha, que era o cavaquinho. Passagem de cavaquinho eu tenho umas boas pra contar. E a gente passa a tarde toda conversando”.
 
Ao chegar ao Rio de Janeiro, no década de 1940, Zé Menezes conta que conquistou o pessoal da rádio Mayrink Veiga e venceu os ciúmes dos músicos com a gravação do disco Quarteto Brasil, ao lado de Luperce Miranda (bandolim), Artur de Souza Nascimento - o Tute (violão de sete cordas) e Romualdo Viana. O disco original, segundo Menezes, faz parte do acervo do pesquisador e colecionador Nirez, Miguel Ângelo de Azevedo, em Fortaleza
15

CLÁSSICOS DO CHORO Foi o número de discos que lançou com Velhinhos Transviados.

1949

MÚSICA POPULAR Foi criado o Quarteto Instrumental, onde Zé tocou por 30 anos.

Perfil

Bom humor e auto confiança fazem um Zé Menezes de carne, osso e música. De Jardim, onde nasceu, saiu jovem ainda, quando aos quatro anos a família se mudou para o Juazeiro do Norte, ainda sob as bençãos de Padre Cícero Romão Batista. De lá, veio a Fortaleza em duas ocasiões. Foi na segunda que arrumou emprego e passou a ser músico de primeira instância na PR-9. Não ficou muito, porém: logo depois seguia para o Rio de Janeiro para ocupar o posto deixado por Garoto na rádio Mayrink Veiga.

Trabalhou cerca de 30 anos com Radamés Gnatalli, tocou para Villa Lobos e foi maestro da Rede Globo por outros 22 anos. Foi lá que compôs a abertura do programa dos Trapalhões. Lançou um número considerável de discos – só com os Velhinhos Transviados foram 15. É dele clássicos do choro como Comigo é assim e Encabulado. Mora a 17km de Teresópolis, num sítio aconchegante, segundo ele mesmo confirmou, e não passa um dia sequer sem estudar: “se o músico não estudar um dia ele sente. Mas se ele não estudar uma semana, quem sente é o público.”

Pergunta do Leitor

O POVO - Como a nossa região é divisa com a de Pernambuco, o senhor também teve a influência muito forte da cultura pernambucana como bandas cabaçais, maracatus, frevos?
Zé Menezes - Tive e preservo a influência da música pernambucana, componho muitos frevos, com arranjos para big band, grupos regionais e, principalmente, para bandas de pifano (ou banda cabaçal).

Pantico Rocha, músico, baterista do Lenine, natural de Jardim (CE)

Hoje Zé mora a 17 km de Teresópolis, num sítio acolhedor

Compôs o tema dos Trapalhões na TV Globo


 O POVO on line

Nenhum comentário:

Postar um comentário