13.6.13

Municipal do Rio é palco do Prêmio da Música Brasileira


 

ROBERTA PENNAFORT - Agência Estado

Céu tinha 14 anos quando Tom Jobim morreu. Maria Gadú, 8. Nana Caymmi foi sua amiga por décadas. Leny Andrade e Rosa Passos gravaram vários clássicos de seu cancioneiro. Já vai fazer 20 anos que o piano emudeceu, mas a obra monumental continua chegando a novos ouvintes, seja nas versões célebres, seja nas homenagens. Vanessa da Mata atraiu de 8 a 80 em seus shows tributos gratuitos. Na noite desta quarta-feira (12), o mesmo repertório dá o tom do Prêmio da Música Brasileira, no Teatro Municipal do Rio.

Depois de 23 edições, Tom é homenageado pela premiação idealizada por José Maurício Machline. Ele escolheu só lados AAA para conduzi-la. Céu vai de Insensatez (Tom/Vinicius); Gadú, de Chega de Saudade (idem). Nana promete estraçalhar o Dia de Namorados dos amargurados com Por Causa de Você (Tom/Dolores Duran). O elenco tem ainda João Bosco, os portugueses Antônio Zambujo e Carminho, Leila Pinheiro e Mônica Salmaso. Gal Costa estava confirmada, mas sua voz falhou e ela cancelou a participação.

Durante seis dias, os ensaios, no estúdio Floresta, no Rio, reuniram os artistas em torno do relicário de Tom. Um dos encontros inéditos é o dos pianistas João Carlos Martins, Wagner Tiso, Gilson Peranzzetta, Cristóvão Bastos, João Carlos Coutinho e Leandro Braga. Eles tocarão a 12 mãos Eu Sei Que Vou Te Amar (Tom/Vinicius).

A Nova Banda, grupo familiar que acompanhou Tom por dez anos (contava com a mulher e dois filhos de Tom, Beth e Paulo, o casal Morelenbaum, Caymmis...) , vai se reunir pela primeira vez, ainda que desfalcada. O grupo fez apenas um ensaio de Wave (Vou te Contar). "Mantivemos o arranjo original do Tom para caracterizar esse encontro. Ele era o nosso maestro", contava, segunda-feira (10), o violoncelista Jaques Morelenbaum, diretor musical do prêmio.

Nana, Leny e Rosa acreditam seriamente na missão de perenizar o legado jobiniano. "É minha função como intérprete, não posso deixar que esqueçam os grandes, Tom, meu pai, Dolores, Lupicínio Rodrigues...", defende Nana. Leny ficou com Brigas Nunca Mais (Tom/Vinicius). "Tom era muito lindo comigo, cantei na missa de sétimo dia, em Nova York", lembra. "O Brasil está precisando de música boa. O popularesco tem muito espaço!", critica Rosa, que cantará Inútil Paisagem (Tom/Aloysio de Oliveira).

Outro devoto de Tom, Mario Adnet, que lançou três CDs em 2012, tem dois prêmios garantidos - é nome único nas categorias arranjador e projeto especial. Maria Bethânia pela primeira vez disputa troféu como compositora. Caetano, Gil, Zélia Duncan, Mariene de Castro e João Bosco, como ela, somam três indicações.

A apresentação, geralmente a cargo de atores, será de Zélia e Adriana Calcanhotto. A seleção, feita por um júri especializado, foi a partir de 1.109 CDs e 165 DVDs. É a mais abrangente premiação de música do País. A TV Globo transmite o show domingo (16).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

ESTADO.COM.BR - Cultura/Cultura

http://topicos.estadao.com.br/musica

Nenhum comentário:

Postar um comentário