11.2.12

CURIOSIDADES DO CARNAVAL CARIOCA


Conheça algumas das curiosidades que ajudaram a construir a história do carnaval carioca:
- Em 1892 o carnaval foi transferido para os dias 26, 27 e 28 de junho, por ser um mês considerado mais saudável. A ordem foi do Ministro do Interior. O povo comemorou nesse ano dois carnavais.
- Em 1910 o carnaval é transferido para junho em função da morte do Barão do Rio Branco. Novamente houve dois carnavais.
- Portela, Mangueira e Unidos da Tijuca são as únicas escolas que participaram do primeiro desfile, realizado em 1932, que continuam em atividade até hoje.
- Na década de 30 a ala das baianas era formada, quase que exclusivamente, por homens. Eles desfilavam nas laterais levando navalhas presas às pernas para defender as agremiações em caso de brigas. Foi só na década de 60 que foi criada a Ala das Baianas com as características atuais.
- Durante o desfile das campeãs de 1970 a mais famosa baiana da Mangueira, Nair Pequena, morreu em plena avenida.
- No carnaval de 1972 o Império Serrano chegou praticamente sem alegorias na concentração. Lá, o carnavalesco Fernando Pinto foi montando folhagens, bichos e coqueiros, transformando os esqueletos das alegorias em uma deslumbrante floresta. A Escola foi Campeã com o enredo "Alô, Alô, Taí Carmem Miranda".
- A Portela é a única escola heptacampeã do carnaval carioca. Ela ganhou todos os títulos disputados entre 1941 a 1947, inclusive.
- Dagmar, esposa de Nozinho, irmão de Natal da Portela, foi a primeira mulher a tocar surdo numa bateria de Escola de Samba.
- O jornalista Irênio Delegado levou, em 1948, uma comitiva de 30 pessoas - entre elas o diretor da Radio Nacional, Victor Costa - até a Serrinha para o lançamento de um refrigerante. Na década de 50, o Império Serrano recebia em sua sede turistas e personalidades para a “Ceia do Samba”. Mas foi só a partir da segunda década de 60 que o "high society" passou a freqüentar as quadras.
- A Portela foi a primeira escola a ser campeã com nota 10 em todos os quesitos. Tal fato ocorreu em 1953, ano da reunificação do samba.
- Nelson de Andrade, ex-presidente do Salgueiro e da Portela, foi o autor do lema usado até hoje pela escola vermelho e branco da Tijuca: "nem melhor, nem pior, apenas uma Escola diferente”.
- Em 1959, contrariando uma norma do regulamento dos desfiles, o Salgueiro, pela primeira vez, não usou as tradicionais cordas. Daí em diante, caiu a obrigatoriedade das cordas envolvendo toda a Escola de Samba.
- José Pereira da Silva, o Mestre André, da Mocidade Independente de Padre Miguel, em um golpe de astúcia, inventou a paradinha da bateria. Certa vez, ele desequilibrou-se, escorregou e os instrumentistas pararam. Mais preocupado com o samba do que com o tombo, o mestre deu um rodopio e fez sinal para o repique que entrou tocando no ritmo. Pronto, criou-se um tipo de “síncope” musical que depois se tornou obrigatoriedade na apresentação de várias escolas.
- No carnaval de 1983, a Caprichosos dos Pilares desfilou no escuro o enredo “Um Cardápio à Brasileira”. Como as notas da escola não foram computadas, ela foi mantida no Grupo Especial. Fato semelhante aconteceu em 1992 com a Escola de Samba Santa Cruz. A partir daí, o regulamento dos desfiles estabeleceu que as escolas devem desfilar mesmo sem luz, mas, neste caso, os jurados devem permanecer na pista.
- A Portela é a única escola que participou de todos os desfiles principais do carnaval carioca de 1932 até hoje, visto que, em 1937 o delegado Dulcídio Gonçalves mandou encerrar o desfile antes que a Mangueira e Unidos da Tijuca se apresentassem. Tal fato faz com que a Verde-e-Rosa não reconheça o resultado final desse desfile.
Governo  do  Rio  de  Janeiro
http://www.conexaoaluno.rj.gov.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário